quarta-feira, 5 de novembro de 2008

EM CARTAZ

Pedro, o Louco (Pierrot le Fou)

Um filme de Jean-Luc Godard (apresentações feitas em baixo), de 1965, com Jean-Paul Belmondo e Anna Karina (esta por sua vez esposa de Godard na altura, para quem não souber).

Pedro, o Louco é a história de Ferdinand e Marianne (ela prefere chamá-lo Pierrot), um casal de amantes que viaja fugindo às regras (note-se aqui o paralelismo com a corrente cinematográfica onde se insere o filme, a Nouvelle Vague, também esta "transgressora" de regras), querendo viver os mitos românticos do cinema e da literatura - a sensação de liberdade, sol, mar, tendo como cenário a grandiosidade da Natureza.


JEAN-LUC GODARD,
(03.12.1930) é um cineasta francês (com a infância e a juventude vividas na Suiça)
reconhecido por fazer um cinema vanguardista e polémico, abordando os dilemas e perplexidades do séc. XX.

É, ao lado de Truffaut, um dos mais inventivos realizadores da Nouvelle Vague - expressão artística do cinema francês que se insere no movimento contestatário próprio dos anos 60. Dá-se a ruptura com o cinema totalmente de estúdio, transgredindo regras normalmente aceites para o cinema mais comercial, reabilitando o filme dito de autor. Exemplo dessa fuga à regra, à cinematografia padronizada é o momento do filme, Pedro O Louco, em que Pierrot fala "directamente" com o público: Marianne pergunta-lhe a dado momento "Com quem estás a falar", ao que ele responde "Com o espectador".

A Nouvelle Vague não é definível num só filme, mas Pedro O Louco é sem dúvida o filme que contém em si todo o espírito de um movimento que marcou a história do cinema, da arte e do próprio homem.


Estreou em 5 de Novembro de 1965 (em Portugal, só em Dezembro de 1966). Faz hoje 43 anos.

PEDRO, O LOUCO, na Two Tone Store

2 comentários:

rapazdochapeu disse...

Ai, Anna Karina, ai....

rapazdochapeu disse...

Viva o cinema francês, o melhor do mundo!
Como os modernistas originais gostavam; música americana, motas italianas e cinema francês.
Classe internacional.